Seguros cobrem prejuízos com enchentes?

Em tempos de fortes chuvas como saber se o seu carro está protegido? A Autoesporte separou algumas dicas para garantir que o motorista não seja pego desprevenido

As fortes chuvas estão provocando cada vez mais alagamentos. Segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências da Capital (CGE), a cidade de São Paulo teve um acúmulo de 253,4 milímetros de água no mês de fevereiro, ficando 18% acima da média histórica que aconteceu 1995.

Essas tempestades acarretam queda de árvores, chuvas granizos, inundação, desmoronamento de terra e podem afetar o carro. Uma das consequências é o crescimento no número de sinistros de automóveis. A seguradora SulAmérica Auto registrou o aumento de 50% em acionamentos por fenômenos naturais em fevereiro de 2015 comparando com o mesmo período do ano passado. Mas como saber se o seu seguro cobre alagamentos e problemas com a chuva? Eduardo Dal Ri diretor de auto e massificados as SulAmérica explicou que todos os seguros com cobertura compreensiva inclui proteção contra fenômenos naturais (deslizamento de terra, granizo, alagamento e objetos que caíram no carro). A cobertura compreensiva é a apólice completa e é a que a maioria dos brasileiros fazem. Portanto, é preciso tomar cuidado porque as outras coberturas não vão proteger o carro contra as enchentes.

O maior problema e que exige bastante atenção é o aumento de risco. Dal Ri informou que o motorista não pode ultrapassar a área alagada, se ele tentar fazer isso a seguradora não cobre o prejuízo. Ao tentar passar por uma enchente, você está colocando o carro em risco e o motorista precisa comprovar que foi pego de surpresa. Outro ponto é para quem vai à praia. A os seguros não cobrem danos por água salgada, apenas água doce. Se você estiver com o carro na areia e a maré subir rapidamente, fique esperto porque, normalmente, não está incluso na apólice.

Quais os fenômenos naturais que estão incluso na cobertura Compreensiva

  • Ventos fortes
  • Enchentes
  • Chuva de Granizo
  • Queda de objetos no carro
  • Deslizamento de terra
  • Incêndio
  • Raios

Hora de chamar o seguro

Mas se por acaso uma árvore caiu no carro ou a água inundou? O que é preciso fazer? Dal Ri contou que o primeiro passo é usar os canais de comunicação da seguradora para solicitar o serviço. “Normalmente, em casos de fenômenos naturais a pessoa também faz o pedido de um guincho. O cliente precisa acionar o sinistro com um pedido de guincho e reparos”, afirmou o diretor. Se o carro tem a cobertura completa a seguradora deve responder a solicitação o mais rápido possível.

A Autoesporte separou algumas dicas para garantir a cobertura de fenômenos naturais:

  • Procurar uma cobertura compreensiva que cobre o veículo como um todo.
  • Buscar uma seguradora com uma boa assistência porque a ocorrência de fenômeno natural vem quase sempre seguida por uma necessidade de assistência.
  • Procurar um corretor de seguros que irá disponibilizar para os clientes várias opções de seguradoras porque cada motorista tem uma necessidade diferente.
  • Evite deixar pessoas que não estão inclusas na cobertura dirigir o carro.
  • Não tentar passar por um alagamento.

Comentários estão fechados