Estudo aponta redução da utilização de carros nas grandes cidades

Fatores como urbanização, aumento do preço dos combustíveis, consciência ambiental, envelhecimento da sociedade e tecnologia influenciam muito a mobilidade e tendem a reduzir nas grandes cidades de todo o mundo a utilização de carros, que passam a deixar de ser um produto de status. É o que dizem especialistas do Grupo Allianz sobre o futuro da mobilidade, em um levantamento que apontou as tendências que devem dominar o debate sobre transporte nos próximos anos.

Um aspecto central do futuro da mobilidade é o progresso no comportamento dos consumidores. Há um aumento significativo no consumo colaborativo de todos os tipos de aparelhos. Na medida em que o “car sharing” (compartilhamento de carros), por exemplo, está se tornando um novo filão, empresas profissionais de compartilhamento de automóveis estão sendo vistas com frequência cada vez maior em muitas cidades grandes e médias. O número de usuários deve aumentar para 5,5 milhões até 2016 só na Europa, de acordo com um estudo da consultoria Frost & Sullivan (2010).

Ao mesmo tempo, nas principais economias ocidentais, as gerações mais jovens têm menos interesse em tirar carteiras de motorista. Esta tendência coincide com o declínio nas vendas de carros novos na Europa Ocidental.

Na tentativa de criar condições de trabalho mais flexíveis, as empresas devem oferecer cada vez mais a opção de trabalhar em casa – pelo menos por um período de tempo determinado durante a semana. Apesar de a opção de escritório em casa ainda não estar amplamente disponível, o seu aumento significará uma redução nos deslocamentos relacionados a negócios.

Além disso, as empresas serão forçadas a oferecer uma infraestrutura sustentável, ou seja, acesso a transporte público e incentivos a carros elétricos, para conseguir atingir metas de redução de emissões e satisfazer as exigências de seus funcionários e acionistas. As companhias também deverão considerar cada vez mais a redução de sua frota de carros corporativos, ou talvez até mesmo, ser obrigadas a fazê-la devido às novas leis.

O amplo mercado de vendas no varejo também afetará os hábitos de mobilidade. No passado recente, houve um aumento contínuo em comércio eletrônico e entregas em domicílio. Os valores de venda à distância já somam quase 10% do total de vendas no varejo na Alemanha. De acordo com a “National Travel Survey” (Pesquisa de Percursos Nacionais) do Departamento de Transportes do Reino Unido (2011) o número total de deslocamentos para fazer compras diminuiu 10% em um período de 15 anos.

Comentários estão fechados